quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

De volta a arena...

Um dos suplícios a que eram expostos os cristãos da igreja primitiva era serem jogados às feras em uma arena lotada de expectadores ávidos pelo espetáculo. Os condenados eram apresentados ao público depois de chicoteados ou marcados com ferro em brasa.  Mesmo diante de leões, ursos ou touros ferozes não negavam o nome do Senhor e publicamente declaravam a fé e o amor ao Rei e Salvador Jesus Cristo.

O tempo passou, o império romano perdeu o poder e o nome arena caiu em desuso. Mas engana-se quem pensa que o império romano está morto; ao contrário, ele ainda existe e sua influência é cada vez mais forte. E, segundo a Bíblia Sagrada, ele voltatá a dominar o mundo na forma de dez confederações nos tempos que antecedem a segunda volta de Cristo (os dez dedos da estátua vista em sonho por Nabucodonosor).

Já o nome arena que estava em desuso, voltou à cena na forma de modernos estádios que foram ou estão sendo construídos não só no Brasil, mas pelo mundo todo (Superdome, New Orleans; Allianz arena, Munique; arena da Fonte Nova, Salvador; arena de Barueri, SP; arena do Grêmio, Porto Alegre...)


A tirinha acima, surgiu depois de ficar pensado como os crentes de hoje assumiram torcer por clubes de futebol e fazem questão de mostrar isso em redes sociais, algo que era impensado a alguns anos atrás. Crente não ia em estádio de futebol nem vestia a camiseta de um clube .

Pensando no que escreveu Salomão em Eclesiastes, "que não há nada novo debaixo do sol", cheguei a conclusão que os cristãos estão de volta às arenas. Só que desta vez por vontade própria. E o que mais
chama a minha atenção é que não estão lá para declarar sua fé e amor pro Cristo, mas para mostrar publicamente sua paixão por um clube de futebol.

Como já escrevi antes: nada mais surpreende.